Home > News > Novo polo aeroespacial em Santa Catarina

Novo polo aeroespacial em Santa Catarina

Novaer Craft e governo de SC assinaram protocolo de intenções para a construção de fábrica e centro de desenvolvimento no Estado

A Novaer Craft, que integra a cadeia produtiva da Embraer, vai deixar São José dos Campos para fazer aviões em Santa Catarina, onde devem ser gerados 1.900 empregos diretos e indiretos.

O investimento será de R$ 80 milhões em uma fábrica em Lages, na área serrana, e um centro de desenvolvimento de projetos na capital, Florianópolis.

A meta será produzir o T-Xc, avião pequeno que terá duas versões: transporte civil com quatro lugares e outra militar, de dois lugares, para treinamento de pilotos.

Segundo o presidente da Novaer, Graciliano Campos, os primeiros aviões sairão da linha de produção no início de 2015. Até lá, a empresa deixará São José.

“O compromisso com o governo catarinense é de levar todo o desenvolvimento para lá”, disse Campos, que espera gerar 400 empregos diretos e 1.500 indiretos para fabricar 120 aviões por ano.

Sediada no Parque Tecnológico da Univap, a Novaer emprega 100 pessoas na cidade, que trabalham com desenvolvimento de projetos aeronáuticos, entre eles a fabricação de peças para o trem de pouso do Tucano, avião de treinamento da Embraer.

A saída da Novaer revela uma ‘guerra’ entre cidades e estados para atrair investimentos nas áreas aeroespacial e de defesa, cujo principal polo do país está em São José dos Campos.

Em outubro do ano passado, São Bernardo do Campo anunciou a criação de um polo no setor, que receberá US$ 150 milhões para sediar uma fábrica de estruturas aeronáuticas criada a partir de parceria entre o grupo sueco Saab e a Akaer, de São José dos Campos.

Na manhã de ontem, o governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo (PSD), e o presidente da Novaer assinaram um protocolo de intenções para formalizar a parceria. Também participou o ministro de Ciência e Tecnologia, Marco Antônio Raupp.

O acordo prevê que a empresa estatal SC Participações e Parcerias seja sócia do empreendimento, com aporte de R$ 15 milhões. “A ideia é que a instalação da empresa seja uma espécie de âncora para o início de um polo tecnológico aeroespacial em Santa Catarina”, afirmou Paulo César da Costa, secretário estadual de Assuntos Estratégicos.

Segundo Campos, a fábrica da Novaer será construída em Santa Catarina porque o governo estadual “deu apoio e todas as condições para a fabricação do avião”. Entre as vantagens, está o uso de dois aeroportos para voos de teste.

“Vamos aliar a capacidade produtiva da serra com a inovação de Florianópolis e de seu capital humano no desenvolvimento de projetos e de tecnologia de ponta”, disse Colombo.

Para o vice-diretor do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), em São José dos Campos, Ney Pasqualini, que também é empresário do setor aeronáutico, a saída da Novaer revela as dificuldades que as empresas do setor enfrentam em São José, considerada o principal polo aeroespacial do país. “Vão desde a falta de incentivos até a atuação sindical. É uma tendência buscar vantagens fora daqui.”

Um dos entraves à instalação de novas empresas do setor na cidade é a falta de pista de testes.

O gerente executivo do Cecompi (Centro para Competitividade e Inovação do Cone Leste Paulista), Agliberto Chagas disse que a saída da Novaer Craft de São José não é preocupante. Para ele, o setor aeroespacial na cidade, que reúne 120 empresas, continuará forte e em expansão. “Temos uma estrutura muito boa e vamos melhorar”, afirmou Chagas.

Empresários do setor aeronáutico de São José defendem a ampliação do aeroporto da cidade para permitir testes de empresas pequenas e médias. Administrado pela Infraero, que está estudando a ampliação, a pista é monopolizada pela Embraer e a Aeronáutica. “Sem pista, como o construtor vai testar o avião?”, pergunta Lauro Ney Batista, coordenador de grupo de empresários.

A Novaer espera produzir 120 aviões por ano, com a primeira aeronave pronta no início de 2015. O preço de cada avião está estimado em US$ 700 mil

Texto modificado a partir do Original de Xandu Alves em O Vale.

Deixe uma resposta