Home > News > Programa para setores aeroespacial e de defesa

Programa para setores aeroespacial e de defesa

Serão R$ 2,9 bi entre recursos da própria FINEP e do BNDES

Cerimônia de lançamento do programa.

Cerimônia de lançamento do programa.

A FINEP – Agência Brasileira da Inovação – acaba de lançar um plano voltado para empresas das áreas de Defesa e Aeroespacial chamado Inova Aerodefesa. Veja aqui o edital do programa. Ao todo, ele aplicará R$ 2,9 bi, sendo R$ 2,4 bilhões apenas da FINEP. A Agência utilizará os seguintes instrumentos: Crédito, Subvenção Econômica, Cooperativo ICT/Empresa e Renda Variável. O BNDES entrará com R$ 500 milhões. Já o Ministério da Defesa e a Agência Espacial Brasileira terão por instrumento de apoio a Aquisição Estratégica.

O plano se divide em quatro linhas temáticas:

1- Aeroespacial – Propulsão Espacial (motores e veículos); a Plataformas e Satélites Espaciais (de pequeno porte) e à indústria aeronáutica visando aeronaves mais eficientes.

2- Defesa – Sensores e/ou Sensoriamento Remoto para Defesa (equipamentos e/ou componentes); Sistemas e Subsistemas de Comando e Controle para Defesa.

3 – Segurança Pública – Sistemas de Identificação Biométrica e a Sistemas de Informações (tais como o SIG-Sistemas de Informações Geográficas) e ainda diversos tipos de Armas não Letais.

4- Materiais Especiais – Materiais para Aplicações Diversas e na Indústria de Defesa (fibras e carbono e compósitos) incluindo Ligas Metálicas à base de aços.

Poderão participar do processo de seleção do Inova Aerodefesa empresas brasileiras e/ou grupo econômico brasileiro com Receita Operacional Bruta (ROB) igual ou superior a R$ 16 milhões ou patrimônio líquido igual ou superior a R$ 4 milhões no último exercício, denominadas Empresas Líderes.

Estas, poderão se candidatar individualmente ou em parceria, desde que tenham interesse em empreender atividade de produção e comercialização dos produtos ou serviços aderentes às tecnologias relacionadas aos temas. Propostas de empresas com ROB inferior a este limite e de instituições científicas tecnológicas (ICTs) ficam condicionadas à formalização de parcerias com as Empresas Líderes.

Com o apoio financeiro, pretende-se incentivar o adensamento de toda a cadeia produtiva destes setores, considerados estratégicos dentro do Plano Inova Empresa, do Governo Federal, criado para distribuir os recursos para inovação, visando alcançar novos patamares de competitividade pelo país.

Fonte: FINEP.

Deixe uma resposta